Sigam-me os bons!!!!!

sábado, 7 de outubro de 2017

Plano de parto (domiciliar e hospitalar)

Parto de Parto Domiciliar
Bebê: Gustavo Bricio
Mãe: Rebeca Bricio
Pai: Rafael Henriques
☆Irmão do bebê: Guilherme Brício
☆ Minha irmã: Mariana Brício
☆ Minha prima: Barbara Massot

Equipe

Doula: Paula Inara e Julia Campos
Equipe de PD: Sifrá Parteria
Fotógrafa: Maíra Matos

Data provável do parto: 19/8/2017 (ultra) e 23/8/2017 pela DUM

Local planejado: Nossa casa

Opção de transferência eletiva: Hospital Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda

Este é o nosso plano de parto. Escolhemos ter um parto domiciliar planejado, esperando que Guga chegue no conforto no nosso lar. Rodeado de muito amor, aconchego, respeito e de pessoas que o amam. Nossa escolha, muito consciente e embasada em bastante conversa, pesquisa e leituras durante anos, parte do desejo de um parto respeitoso, sem procedimentos desnecessários e com profissionais em que confiamos, para que nós possamos estar por completo e entregues nesse momento. Claro que tudo que escolhemos tem relação ao nascimento do nosso primeiro filho, o Guilherme que há sete anos foi recebido de forma muito violenta no hospital universitário da Uni Rio. Não quero passar por toda aquela violência, hostilidade novamente. Sabemos que o parto é um processo fisiológico único, e que algumas coisas podem acontecer fora do “plano”, assim estamos abertos à essas mudanças, que esperamos serem sempre comunicadas e discutidas com a antecedência possível com a gente.

Abaixo listamos os nossos desejos para o parto.

Ambiente

- Gostaria de ter livre acesso a todos os cômodos da casa, sem ter meus movimentos restringidos, enquanto for possível;

- Gostaria que meu filho Guilherme estivesse junto de nós nesse processo. Talvez a minha irmã Mariana tb pois temos uma conexão muito bonita e ela me ajudou muito com apenas 11 anos de idade quando me viu desesperada e sem equipe, ligando para as maternidades da lista do caderno do plano de saúde a procura de maternidade. E se der tempo, a minha prima Barbara Massot, mora tão tão distante em Vargem Grande hehehe e que é uma pessoa especial com uma energia maravilhosa. Foi a primeira mulher do meu ciclo social que me mostrou sobre o parto normal, amamentação prolongada há 10 anos.

- Gostaria de ter a casa cheia. Que as parteiras, doulas e familiares estejam confortáveis. Que tenha alimentos e bebidas disponíveis. Sintam-se em casa.

- Separaremos um lençol e o protetor de colchão para a nossa cama, a serem colocados no início do TP;

- Tomara que a casa esteja organizada até o dia do início do trabalho de parto. Estou ativamente trabalhando para isso. Hehe

- Evitem muito silêncio. Quero sentir a presença de todos, não quero ter a sensação de solidão;

- Gostaria de me alimentar e ingerir líquidos (ou ser lembrada de) durante o TP;

- Gostaria que qualquer problema ou intercorrência comigo ou o bebê seja conversada comigo e com o Rafael;

- A fotógrafa pode ter livre acesso pela casa, assim como todo mundo;

- Não gostaria do exame de toque, a menos que eu peça ( ansioooosa) ou que a equipe julgue necessário, porém desejo ser informada antes;

- Gostaríamos que o bebê fosse monitorado livremente, e quantas vezes forem necessárias, e que sejamos informados da evolução;

- Gostaríamos de ser informados, o mais cedo possível sobre a possibilidade de uma transferência ou intercorrência;

- Gostaria de ser lembrada e que sejam oferecidos métodos naturais do alívio da dor – massagem, água quente, banheira, mudança de posição, bola de pilates...

Durante o parto

- Gostaria de poder estar livre pra vocalizar se desejar;

- Não planejo um lugar específico para o parto. Somente que eu esteja confortável e segura na posição ou lugar;

- Não gostaria de ter a força dirigida nem nenhuma manobra na minha barriga;

- Se estiver tudo correndo bem, gostaria que o Rafael aparasse e o recebesse;

- Gostaria que o bebê fosse direto pro meu colo e possa mamar. Qualquer procedimento que seja necessário nesse momento, deve se possível, ser feito com ele no meu colo;

- Gostaria que a placenta seja expelida de forma espontânea;

- Se possível, gostaria que o cordão não fosse cortado até a dequitação da placenta, e se isso não for possível, que ele não seja cortado até parar de pulsar;

- Gostaria que Rafael e o Guilherme (se quiserem) corte o cordão;

~~~~~~~~~~~~~~~~

Esse foi o plano de parto domiciliar, e sabemos que o trabalho de parto pode tomar rumos diferentes então preparei um model de plano de parto hospitalar também!

E acreditem

.
.
.

Esqueci de imprimir... 😲😲😲😲😲 imaginem só se desse ruim e precisasse de uma transferência!!!!!!!!! Ia tomar no cool bunito!

------(caso haja transferência)

Nome da Gestante: Rebeca Bricio               
Nome do Pai: Rafael Henriques
Nome do bebê: Gustavo Bricio
Idade: 33 anos
Data prevista para o parto: 19 de agosto de 2017 pela primeira ultra e 23 de agosto pela DUM.
Pré natal: SUS, Equipe Barão de Cotegipe, CMS Maria Augusta Estrela e Sifrá Parteria.
Nome da Doula: Paula Inara.

Condutas e Procedimentos a serem seguidos pelos profissionais de saúde ao longo do trabalho de parto, parto e cuidados com o bebê:

DURANTE O TRABALHO DE PARTO

- Presença de um acompanhante, no caso, o marido Rafael Henriques;

- Presença da Doula Paula Inara (ou a backup disponivel)durante todo o parto;

- Não realização de lavagem Intestinal (Enema) e tricotomia (raspagem dos pelos pubianos), sem casos de exceção;

- Liberdade para caminhar;

- Liberdade para mudar de posição;

- Uso de tecnologias não farmacológicas para alívio da dor;

- Ingerir bebidas e alimentos leves;

- Infusão intravenosa de soro, ocitocina ou drogas de efeito similar para indução ou aceleração do trabalho de parto apenas sob necessidade, orientação e autorização da gestante e/ou do pai do bebê;

- Monitoramento fetal eletrônico contínuo apenas se houver indicação médica;

- Rompimento espontâneo da bolsa das águas;

- Rompimento artificial (pelo profissional) da bolsa das águas, caso exista indicação ou necessidade sob necessidade, orientação e autorização da gestante e/ou do pai do bebê;

- Medicação para alívio da dor (analgesia regional) administrada apenas quando solicitado pela gestante e com informações completas sobre possíveis efeitos sobre a própria, o bebê e o trabalho de parto;

- Não realização de exames vaginais (toque) ou, se for extremamente necessário somente para a admissão na maternidade.

DURANTE O PARTO

-Liberdade de posição para expulsão;

-Não usar estribos ou perneiras;

- NÃO REALIZAÇÃO DE EPISIOTOMIA EM HIPÓTESE NENHUMA!!!

- Analgesia apenas a pedido materno ou se for necessária alguma intervenção cirúrgica; com prévia orientação e autorização da gestante e/ou pai do bebê;

- Clampeamento e corte do cordão o mais tarde possível, preferencialmente depois que parar de pulsar, caso não haja necessidade de corte imediato, como intercorrência com o bebê;

- Corte do cordão umbilical pelo pai;

- Bebê colocado imediatamente no colo materno;

-Amamentação assim que possível.

PÓS-PARTO

- Amamentar exclusivamente no seio;

- Não deverá haver separação entre mãe e bebê, a menos que haja indicação médica;

- Não oferecer ao bebê água, leite em pó (fórmulas), chupeta ou bicos;

- Alojamento conjunto 24 horas;

- Ser informada e estar presente em todos os exames e procedimentos realizados com o bebê.

EM CASO DE CESÁREA

- Participação de um acompanhante durante a cesárea, no caso, o marido Rafael Henriques e se possível que a equipe aceite a presença da doula;

- Realização de cesárea somente em caso extremamente necessário, permitindo-se o início do trabalho de parto antes de sua concretização;

- Ser informada de cada procedimento associado à cesárea (testes, tricotomia, sondagem urinária, etc.);

- Rebaixamento do campo cirúrgico protetor na hora do nascimento;

- Amamentação tão logo seja possível, mesmo na mesa de cirurgia ou na sala de recuperação;

- Vínculo precoce mãe-bebê.

CUIDADOS COM O BEBÊ

- NÃO aplicação do colírio de nitrato de prata;

- Admissão da vitamina K, de preferência por via oral;

- Amamentação na primeira hora de vida;

- Medidas e pesagem após primeira hora;

- Participar dos exames de rotina no alojamento conjunto e ser informada sobre o resultado do teste de apgar;

- Acompanhar ou dar o banho no bebê, pelo menos após as 24h do nascimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comenta vaaai, que eu gostchio!!!